• Paty

As Aventuras de Paty 2ª Parte Minha primeira experiência no ménage à trois

Atualizado: 22 de set. de 2021

Retornei ao trabalho como se nada tivesse acontecido, troquei de roupa e vesti o meu uniforme, cumpri minhas obrigações como de costume.

No final do expediente lá estava meu maridinho me esperando, muito ancioso para saber dos detalhes do encontro.

Entrei no carro, dei-lhe um beijo e fui contando tudo que havia se passado.

Chegamos em casa, tomei um banho, e meu marido diz, chegou mensagem para você no whats...

Fui olhar e era o JP, eu parecia uma criança e momentaneamente pude lembrar e sentir o toque macio de suas mãos entre minhas pernas.

Teclamos um pouco e nos despedimos pois já era tarde e o Luiz já estava dormindo.

As expectativas aumentavam cada vez mais, e com ela as conversas se tornaram mais picantes.

Marcamos um segundo encontro, para decidirmos como seria estarmos os três juntos.

Era uma terça-feira, dia chuvoso, frio, parecia um dia de inverno em plena primavera.

O horário combinado e lá estava ele, me esperando em uma esquina próximo do meu trabalho.

Entrei no carro, nos abraçamos e demos um beijo, daqueles de sugar as forças me foi roubado rs, (Se todos os beijos roubados, fossem assim rs).

Tínhamos que acertar os detalhes do ménage, precisávamos de um lugar discreto, então fomos para o estacionamento da prefeitura de nossa cidade. Lugar, mais discreto não existe rs.

Dentro do carro, com a chuva e o frio, logo os vidros embaçaram.

Eu não resisti as mãos ao perfume, ao toque...

Abri...o zíper da calça dele, e acariciei, sentindo o volume, enquanto ele dedilhava minha ppkinha.

A temperatura foi aumentando...resolvemos nos recompor pois o número de carros passando próximo, havia aumentado.

Marcamos o encontro a três para o sábado. Ele me levou de volta ao trabalho, e tudo seguiu normal.

A noite, com uma chuva incessante porém, fina, lá estava o corninho a me esperar como de costume.

Entrei no carro, dei-lhe um beijo e disse, tudo acertado para sábado de manhã, teremos que vir buscá-lo, pois a namorada dele está desconfiada.

Mas...deixei a melhor parte para quando chegássemos em casa.

Ao entrarmos dei-lhe um aviso, que de hoje até sábado, nós não iremos transar, quero guardar toda a minha energia para aquele tatuado.

O marido já domesticado apenas concordou.

Os dias passaram voando, enfim sábado, o grande dia.

O dia em que eu iria saciar todos os meus desejos e experimentar outro homem na nossa cama.

Tomei um banho, passei hidratante pelo corpo todo, o perfume preferido do corninho, vesti uma mini saia preta, uma blusinha ciganinha e fomos ao encontro do JP.

Quando chegamos, ele já estava lá, em uma calça jeans e uma camiseta azul.

Entrou no carro, e o seu perfume marcou o espaço.

No banco de trás, nós trocávamos carícias sob o olhar disfarçado do corninho pelo retrovisor.

Entramos no condomínio e nos dirigimos até nosso bloco, onde pegamos o elevador até o nosso apartamento.

Chegando, a atração era tanta que mal conseguimos conversar e já fomos nos esfregando.



Começamos a nos despir na sala mesmo, indo para o quarto sob os olhares de tesão do corninho.

Não resisti, e de joelhos tirei o pau dele para fora e me deliciei, ao sabor daquela pica que parece que pedia mais e mais.




O tesão já estava me consumindo, o puxei para perto de mim e pedi que chupasse minha ppkca, que já estava encharcada.





O calor me aquecia enquanto o tesão e o desejo tomavam conta do meu corpo.

Em silêncio corno se aproximou e ficou em um cantinho da cama. Então pedi para JP me penetrar.... Minha ppkca estava receptiva e aquele pau se encaixou perfeitamente.

Experimentamos todas as posições que sabíamos.




Já havia gozado umas três vezes, e ele nenhuma ainda.



Enquanto isso o corninho só na punhetinha.

Já quase sem fôlego, JP disse, vou gozar. Então eu me ajeitei porque queria aquele jato de leite quente. Seu gozo foi intenso, forte e gostoso!!

Exaustos porém satisfeitos, fomos para o banho. Pois JP tinha que voltar ao trabalho. Enquanto tomávamos banho o corninho nos preparou um delicioso café.

Após o levamos novamente ao local onde nos encontramos, nos despedimos, Começamos a nos despir na sala mesmo, indo para o quarto sobre os olhares de tesão do corninho.

Não resisti, e de joelhos tirei o pau dele para fora e me deliciei, ao sabor daquela pica que parece que pedia mais e mais.

O tesão já estava me consumindo, o puxei para perto de mim e pedi que chupasse minha ppkca, que já estava encharcada.

O calor me aquecia enquanto o tesão e o desejo tomavam conta do meu corpo.

Em silêncio corno se aproximou e ficou em um cantinho da cama. Então pedi para JP me penetrar.... Minha ppkca estava receptiva e aquele pau se encaixou perfeitamente.

Experimentamos todas as posições que sabíamos.

Já havia gozado umas três vezes, e ele nenhuma ainda. Enquanto isso o corninho só na punhetinha.

Já quase sem fôlego, JP disse, vou gozar. Então eu me ajeitei porque queria aquele jato de leite quente. Seu gozo foi intenso, forte e gostoso!!



Exaustos porém satisfeitos, fomos para o banho. Pois JP tinha que voltar ao trabalho. Enquanto tomávamos banho o corninho nos preparou um delicioso café.

Após o levamos novamente ao local onde nos encontramos, nos despedimos, e ficou aquele gostinho de quero mais!e ficou aquele gostinho de quero mais!




817 visualizações7 comentários

Posts recentes

Ver tudo